20180508SiteCN EDP SeiaPor salários melhores e vínculo directo e estável, para o desempenho de funções permanentes, os trabalhadores do Centro de Contacto da EDP, em Seia, contratados através da ManpowerGroup Solutions, estão a fazer hoje uma greve de 24 horas, com uma adesão de 75 por cento, informou o SITE Centro-Norte.
8.5.2018

 

Os trabalhadores lutam por melhores aumentos salariais e pela melhoria das condições de vida e de trabalho. Para o nível de exigência desta actividade da EDP, os trabalhadores ganham muito pouco. Para o corrente ano, os salários propostos pela Manpower variam, conforme os escalões de antiguidade, entre 580 euros (salário mínimo nacional) e 625 euros. As reivindicações salariais dos trabalhadores variam entre 603 e 633 euros.

Durante a concentração realizada ao final da manhã, junto à entrada do Centro de Contacto (na foto), na intervenção de um dirigente sindical destacou-se que são justas as reivindicações dos trabalhadores e que a ManpowerGroup e a EDP têm de abrir os cordões à bolsa. A exigência tem ainda mais justificação, quanto a EDP apresentou mais de mil milhões de euros de lucros em 2017 e, com a sua política de recurso a empresas de «prestação de serviços», é a principal responsável pelos baixos salários praticados.

Tal como em situações semelhantes noutras regiões, o SITE C-N defende que os 600 trabalhadores deste Centro de Contacto devem ser trabalhadores da EDP e não de uma «prestadora de serviços». Foi feito apelo a que o poder político (Governo e Assembleia da República) tome decisões, quer quanto à integração destes trabalhadores na EDP, quer quanto à eliminação desta prática de baixos salários.

 

Ver também:
- Em luta, unidos e organizados por melhores salários e direitos (8.5.2018)