20200217RefinariaSines foto GalpEnergia 2013Chegou a hora de os trabalhadores se organizarem para combater o actual estado de coisas, apela o SITE Sul, num comunicado onde denuncia a agravada exploração dos trabalhadores no Complexo Industrial e Portuário de Sines. Um plenário está marcado para esta quarta-feira, dia 19.
17.2.2020

 

Num comunicado hoje distribuído aos trabalhadores da refinaria da Petrogal e de outras empresas, o SITE Sul alerta para o vai-vem de muitos trabalhadores, entre a emigração e os trabalhos eventuais em Sines, e também para o ilegal trabalho à hora.

O sindicato afirma que o Complexo Industrial de Sines é cada vez mais uma máquina gigantesca de exploração dos trabalhadores, com particular destaque para os trabalhadores da manutenção industrial (montadores de andaimes e isolamentos, entre outros).  

Com baixíssimos salários, muitos são empurrados para a emigração. Há uma quantidade muito grande de trabalhadores num circuito de precariedade, entre o estrangeiro e os trabalhos eventuais no Complexo Industrial de Sines (como a actual paragem na refinaria da Petrogal).

O chamado trabalho à hora, outra face da exploração agravada no Complexo, é uma figura que nem sequer existe na lei. O trabalho à hora é a face da ultraprecariedade reinante no Complexo.

Os patrões falseiam os salários, pretendendo fazer crer aos trabalhadores que aqueles seriam mais elevados do que na realidade são.

O salário pago à generalidade dos trabalhadores é pouco mais que o salário mínimo, mas traz embrulhadas várias rubricas, como os subsídios de Natal e de férias (pagos em duodécimos) e uma parcela da indemnização por rescisão de contrato.  

A soma de todas as parcelas não corresponde ao salário real, mas a um valor falseado, sabendo os trabalhadores de experiência própria que não têm direito a férias pagas e estão sujeitos à forma mais abjecta de precariedade.

Exige-se mais respeito

A falta de respeito por quem trabalha é manifesta e nela cabem todos os atropelos possíveis aos direitos dos trabalhadores, quer estes estejam integrados numa paragem ou numa estrutura de manutenção permanente das grandes instalações do Complexo Industrial e Portuário.

Para discutir este problema e situações concretas mais recentes, bem como a resposta organizada dos trabalhadores, o sindicato promove um plenário, no dia 19, às 21 horas, no Salão da Música, em Sines (Sociedade Musical União Recreio e Sport Sineense, na Rua Pedro Álvares Cabral).


Ver também
- Comunicado do SITE Sul aos trabalhadores do Complexo Industrial de Sines