20210712EGF Coimbra A Fiequimetal e os seus sindicatos e o STAL continuam a mobilizar os trabalhadores das empresas do Grupo EGF (Mota-Engil), para as iniciativas do «circuito nacional de denúncia» das práticas patronais.
20.8.2021

 

O percurso foca locais de trabalho das diversas empresas, expondo publicamente problemas específicos e um contexto comum.

No dia 2 de Agosto, realizou-se um plenário de trabalhadores da Resinorte, em Celorico de Basto, seguido de deslocação para o centro da vila, onde decorreu uma tribuna pública e foi distribuída informação à população.

Em Aveiro, no largo junto à estação ferroviária, realizou-se a 26 de Julho uma tribuna pública, envolvendo trabalhadores da ERSUC.

Com participação de trabalhadores da Resinorte, uma tribuna pública realizou-se no dia 20 de Julho, em Guimarães.

O «circuito» teve início a 12 de Julho, em Coimbra, na Praça 8 de Maio, mobilizando trabalhadores da ERSUC. Nesta tribuna pública, intervieram, entre outros, a secretária-geral da CGTP-IN, Isabel Camarinha, o coordenador da Fiequimetal, Rogério Silva, o presidente do STAL, José Correia, e ainda Mário Matos, dirigente da Fiequimetal e do SITE CSRA, Eduardo Florindo, coordenador do SITE Sul, e António Moreira, coordenador da União dos Sindicatos de Coimbra. Em manifestação, os trabalhadores deslocaram-se depois à ACT, para entregarem uma resolução a expor os problemas e as reivindicações.


20210712EGF CircuitoNacional cartazResolução e reivindicações

Com a privatização da EGF, em 2014, a favor da SUMA (Grupo Mota-Engil), ficou criado um monopólio privado no sector dos resíduos que não tem paralelo na Europa, refere-se na resolução, aprovada em Coimbra.

Nas mãos da gestão privada, cujo objectivo é a maximização do lucro, o serviço público de resíduos foi transformado num negócio, os municípios encarados como meros clientes, o trabalho e os trabalhadores desvalorizados.

Os trabalhadores das empresas do Grupo EGF e as estruturas sindicais da CGTP-IN condenam o bloqueio patronal das negociações e exigem o aumento imediato dos salários, a atribuição de um subsídio de risco extraordinário (no quadro do surto epidémico) e a regulamentação de um suplemento de risco, a dignificação das carreiras, o fim da precariedade, a melhoria das condições de trabalho e a celebração de um Acordo Colectivo de Trabalho, visando uniformizar as regras para todos os trabalhadores e todas as empresas do grupo, assim promovendo a valorização profissional, indispensável à qualidade do serviço público.


Ver também
- Resolução aprovada em Coimbra

 

20210712EGF Coimbra