20181115Petrogal MTSSEm defesa da contratação colectiva, pela manutenção dos direitos laborais e sociais e contra a repressão, continua a luta dos trabalhadores da Petrogal. Em Sines está marcada uma concentração para quinta-feira, dia apontado como limite para uma resposta da administração.
12.2.2019

 

Face à intransigência da administração, os trabalhadores da Refinaria de Sines, no plenário realizado dia 8, decidiram dar continuidade à luta, prolongando a greve até ao final do mês de Março. Mas o novo pré-aviso de greve só será emitido na data limite (14 de Fevereiro) proporcionando à administração uma oportunidade para encetar uma negociação séria - como se refere num comunicado da Fiequimetal em distribuição a partir de hoje.

No plenário, os trabalhadores manifestaram o seu total repúdio pela postura repressiva da empresa e aprovaram um voto de protesto e solidariedade com um trabalhador que foi alvo de um processo disciplinar.

Os trabalhadores classificaram esta atitude da administração como um acto hostil e provocatório para com a greve em curso e reafirmaram a vontade redobrada de a prosseguir, em unidade, e de rechaçar em conjunto todas as medidas repressivas do mesmo género ou outras.

Foi decidido realizar uma concentração, no dia 14, pelas 8h45, junto à portaria principal da refinaria de Sines, com a presença do secretário-geral da CGTP-IN, Arménio Carlos.

Na refinaria do Porto, nos contactos realizados com os trabalhadores, verifica-se a continuidade e intensificação da disponibilidade para a luta que se mostrar necessária. Contudo, tendo presente o recente incidente que ocorreu na instalação, foi decidido aguardar e dar continuidade à luta em momento oportuno.
 

Ver também
- Comunicado aos trabalhadores da Petrogal (Grupo Galp Energia)