EDP-accao-24abr2019A Fiequimetal e os sindicatos vão analisar com os trabalhadores a resposta de luta a dar à administração do Grupo EDP, depois de esta, em reunião, ter tomado posições e produzido declarações contrárias ao compromisso que assumiu sobre progressões em início de carreira.
21.6.2019

 

Num comunicado em distribuição nos locais de trabalho, a federação exige resposta rápida da EDP e recorda que na negociação da tabela salarial, no final de Março, a administração assumiu o compromisso de negociar a revisão da situação dos trabalhadores em início de carreira até ao fim de Junho e que o resultado seria aplicado com retroactivos a 1 de Janeiro de 2019.

A Fiequimetal, em conjunto com os trabalhadores, fez o seu trabalho e apresentou a sua proposta sobre progressões e aceleração dos inícios de carreira. Mas a administração, até ao momento, não respondeu.

Por quem representa a EDP na negociação já foi afirmado que os casos, na sua maioria, terão de ser estudados um a um, que esse processo poderá decorrer até Novembro e que os problemas decorrentes da avaliação de desempenho só serão avaliados e eventualmente revistos lá para meados de 2020.

No dia 19, quarta-feira, no início de mais uma reunião com a empresa, a Fiequimetal repudiou formalmente a atitude da administração da EDP nestas negociações.

A demora na apresentação da proposta patronal e as afirmações proferidas pelos representantes da EDP levam a federação a admitir que aquilo que a empresa pretende é ir gerindo o descontentamento dos trabalhadores para, no fim, reduzir estas negociações a muito pouco.

Esta situação exige uma resposta de todos os trabalhadores, afirma-se no comunicado. Os contactos nos locais de trabalho vão continuar, para decidir a forma de luta a adoptar.


Ver também
- Comunicado aos trabalhadores das empresas do Grupo EDP
- Para melhorar progressões entregue proposta à EDP (13.6.2019)
- Concluída a tabela salarial passa-se na EDP às carreiras (3.4.2029)