20210611AdP AlcantaraOs trabalhadores das empresas do Grupo Águas de Portugal vão endurecer a luta, recorrendo a todas as formas e meios à sua disposição, para obrigarem a administração a negociar e cumprir o acordo colectivo de trabalho, asseguram a Fiequimetal e o STAL, salientando que é tempo de pagar o que é justamente devido a quem trabalha.
5.7.2021

 

As organizações sindicais da CGTP-IN emitiram um comunicado de imprensa, depois de se terem reunido, dia 1, com representantes da administração do Grupo AdP.

Mais uma vez, não houve uma resposta positiva às reivindicações inscritas na resolução aprovada pelos trabalhadores nas concentrações de dia 21 de Maio. O silêncio da administração levou à realização de uma greve nacional a 11 de Junho, com grande adesão.

A reunião de dia 1 terminou como começou, já que a administração  insistiu em ignorar, ostensivamente, as exigências dos trabalhadores, não se comprometendo com nada, nem revelando disponibilidade concreta para começar a negociar. Ou seja, fez ouvidos moucos às exigências dos trabalhadores, menosprezando o seu empenho e dedicação nestes tempos difíceis de crise epidémica.

Os trabalhadores do sector da água do Grupo AdP merecem ser valorizados e respeitados, pois todos os dias asseguram o abastecimento de um bem fundamental à vida. Mesmo neste difícil contexto sanitário, permaneceram na primeira linha da prestação deste serviço público essencial à população - salienta-se na nota de imprensa.

 

Ver também
- Nota da Fiequimetal e do STAL aos órgãos de comunicação social
- Grande resposta no Grupo AdP reforçou exigências justas (12.6.2021)